• Background Image

    Corretor de seguro: autônomo ou pessoa jurídica ?

    14 de Maio de 2016

14 de Maio de 2016

Corretor de seguro: autônomo ou pessoa jurídica ?

Para quem é corretor de seguros iniciante, fique atento pois neste artigo vamos abordar: Afinal, vale a pena ser corretor de seguro autônomo ou pessoa jurídica?

Os profissionais que trabalham com seguro contam, desde 2015, com a inclusão da atividade de corretagem no Simples Nacional. Mas afinal, o que isso representa?

Bem, na realidade, não importa qual seja a sua profissão ou ramo de atividade, atuar como pessoa jurídica oferece diversos benefícios, como direito a aposentadoria e auxílio doença. Além disso, o corretor de seguro que tem um CNPJ pode aumentar bastante suas possibilidades de venda e lucro, se tornando mais competitivo e com credibilidade dentro do mercado.

Corretor de seguro: autônomo ou pessoa jurídica?

Você que é corretor de seguro pode trabalhar tanto como pessoa jurídica ou física. O corretor de seguro que optar por trabalhar como pessoa jurídica vai abrir uma empresa, seja empresa de lucro presumido, ou lucro real ou Simples Nacional, não importante. Já o corretor de seguro que opta por trabalhar como pessoa física irá atuar como autônomo, porém, mesmo para trabalhar assim precisa ir até a prefeitura da sua cidade para tirar o Susep, e a partir daí a prefeitura irá autorizar você para poder trabalhar como autônomo.

Mas em que momento eu devo passar a atuar como pessoa jurídica?

 

Primeiramente, é preciso deixar claro que, de acordo com especialistas, para as seguradoras não faz diferença os trabalhadores atuarem como corretores pessoas físicas ou jurídicas, pois o resultado não interfere em nada.

Você como corretor é quem deve analisar as vantagens e desvantagens, sempre de acordo com as suas necessidades. É preciso verificar a quantidade de clientes e produção de cada profissional. Os tributos de uma pessoa jurídica são bem inferiores em relação ao da pessoa física. Sendo assim, analise as suas prioridades.

Porém, quando um corretor de seguro decide se tornar pessoa jurídica e abrir uma empresa, tem os custos também, porém, na hora de declarar os tributos isso pode ser mais vantajoso.

Comece devagar, mas de olho no futuro

Para quem está começando agora no mercado de seguros, e acabou de tirar o seu certificado, pode iniciar as atividades como autônomo para não ter os custos de abertura de uma empresa. Porém, conforme os clientes forem aumentando, é preciso projetar e pensar grande.

Quem for iniciar as atividades como corretor de seguro pessoa física, precisa se atentar ao INSS. Se você não quiser que a corretora faça o desconto do INSS, é possível fazer uma declaração onde você informa que não autoriza o desconto. Isso é interessante, porque você pode eleger uma outra seguradora para realizar o desconto, dentro todas as seguradoras que você atua. Sendo assim, você será descontado apenas uma vez.

Vantagem financeira

Uma outra vantagem em se tornar corretor de seguro pessoa jurídica é os ganhos podem representar até 10% a mais na comissão sobre o prêmio líquido.

Além disso, quando se atua como corretor de seguro PJ, os encargos para quem fatura até 15mil são reduzidos em 6%. Já o profissional de seguro que atua como PF terá que recolher 27% sobre suas comissões.